Homossexuais no futebol

by

Por João Paulo Biage

Com o caso Richarlyson em alta, volta a tona os casos de homossexualismo no futebol.  

O tempo passa e a discussão sobre o homossexualismo no futebol continua. O último capítulo dessa novela foi o caso “Richarlyson”. Tudo começou em um renomado programa de esportes, exibido na hora do almoço e apresentado por Milton Neves. Os integrantes da mesa redonda discutiam sobre o boato de que algum jogador de um clube grande paulistano assumiria a homossexualidade no domingo à noite para todo o Brasil. Perguntado se esse jogador era do Palmeiras, José Cyrillo Júnior, dirigente do Palmeiras respondeu:

 

– O Rycharlison quase assinou com o Palmeiras, mas optou por assinar com o São Paulo. Até tínhamos um pré-contrato assinado, mas o procurador do jogador preferiu assinar com o São Paulo.

 

Logo depois Richarlyson entrou com uma queixa-crime contra o dirigente palmeirense pedindo indenização de R$300 mil. Porém, com uma decisão considerada homofóbica por grande parte da população, o juiz Maximiano Junqueira Filho alegou o caso em favor de José Cyrillo.

O caso terminou com um final feliz. O dirigente do Palmeiras pediu desculpas públicas a Richarlyson, o jogador desculpou e foi ao Fantástico para afirmar que não é homossexual.

 

Mas esse não é o primeiro caso de referente ao homossexualismo no mundo futebolístico. O mais conhecido foi do jogador inglês Justin Fashanu, que em 1990 assumiu publicamente a sua homossexualidade. Depois de muita pressão e preconceito por parte da mídia e de seus colegas, Fashanu suicidou-se em 1998.

 

Outro episódio conhecido foram as revelações de Dadá Maravilha. Quando perguntado sobre a existência de homossexuais no futebol, respondeu que isso não era novidade.

 

– De montão. Um exemplo: em 1970, Dadá tinha um corpo maravilhoso. Havia um zagueirão que era louco pelas minhas pernas. Um dia, o cara me passou a mão. Dei uma pernada nele e disse: “Sai pra lá, rapaz!”.

 

Para evitar esse tipo de preconceito, foi aprovado um projeto de lei que torna o preconceito de gênero, sexo e orientação sexual um crime resultante de discriminação. Trata-se de uma extensão da Lei 7716/89. Quando entrar em vigor, caso isso aconteça, os termos “viado” e “bicha”, comuns no futebol e ditos no calor da disputa, passarão a ser considerados discriminatórios e poderão levar quem os diz a ter de se explicar na Justiça.

 

Mas nem tudo é dor na luta contra o preconceito. No início de 2005, o meio-campo Dhorasoo, da seleção francesa, declarou publicamente seu apoio à criação de um time de futebol de gays na França. Dhorassoo é heterossexual e tem dois filhos, mas como é filho de imigrantes da Mauritânia – povo que sofre preconceito na França, solidarizou-se com esse outro grupo discriminado. Segundo disse à época à revista So Foot, “Talvez seja necessário que um jogador importante assuma a homossexualidade. Terá de ser um dos melhores jogadores do mundo, pois é fundamental estar numa posição forte para suportar as conseqüências. Só se pode avançar se for um grande ídolo a desbravar o caminho”.

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: